A comida pode transmitir o novo coronavírus?


Atenção aos cuidados sanitários para quem produz e quem consome alimentos.



Comércios no ramo alimentício têm se preocupado e buscado rápida adaptação para as questões de segurança alimentar de seus clientes, para favorecer este olhar de forma sustentável, queremos esclarecer alguns pontos pra você que produz e pra você que consome.


É importante que você saiba que até o momento não há evidências científicas que comprovem a transmissão do novo coronavírus pela ingestão de alimentos. Esta constatação se deu segundo autoridades de saúde, estudos acadêmicos e o conhecimento adquirido pelas doenças desencadeadas por outros parasitas semelhantes ( informações da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos - EFSA) .


Ufa! Você pode considerar que a sua comida está relativamente segura e que não há perigo de ficar doente enquanto se alimenta, PORÉM HÁ RESSALVAS...


Isso quer dizer que é importante adotar alguns cuidados, especialmente em relação as embalagens e veículos de entrega, separamos aqui 7 dicas básicas para você:


1) Lave mãos e pulsos: antes de manipular os alimentos siga a orientação de lavagem das mãos e pulso. Ao consumidor é indicado lavar as mãos antes e depois de consumir qualquer alimento.

2) Limpeza na cozinha: são as mesmas de sempre, já orientadas pela Vigilância Sanitária, e devem ser seguidas criteriosamente. Bancadas, pias, louças, tábuas de corte, eletrodomésticos e demais utensílios devem estar sempre limpos e secos, sem restos de alimentos. A higienização deve ser feita com água, sabão ou água sanitária. O mesmo vale para as paredes, chão e tetos.

3) Escolha de embalagens: dê preferência a embalagens de PAPEL.

Segundo estudo publicado na revista New England Journal of Medicine, o vírus pode sobreviver por até quatro horas em superfícies de cobre, e 24 horas em papelão. Em materiais plásticos e de aço inoxidável, esse tempo é maior e pode ser de até 72 horas.

4) Higienizar embalagens: use álcool 70% para higienizar embalagens, pacotes e sacolas de origem desconhecida trazidos para casa. Outra medida importante é evitar compartilhar utensílios domésticos e lavar muito bem louças e talheres.

5) Pagamento remoto de Delivery: o maior risco de contaminação está no contato de pessoa a pessoa, por isso vale especial atenção entre entregador e cliente. Para evitar este contato direto, opte por pagamentos via aplicativo.

6) Cuidados com os alimentos em casa: não deixe de fazer a higienização de alimentos consumidos crus através do molho em solução de hipoclorito, isso serve para alimentos como vegetais folhosos, ou com casca e frutas em geral. A solução é simples e elimina microrganismos com bastante eficácia, basta uma colher de sopa de água sanitária diluída em um litro de água. Após o molho, enxague bem os alimentos.

7) Evite as sobras de alimentos: em todas as circunstâncias as sobras de alimentos são alvos de proliferação de micro-organismos, por isso a condição mais adequada é preparar ou comprar apenas a quantidade que será consumida naquele momento. É necessário ainda mais cuidados e atenção com refeições para pessoas com o sistema imune comprometido (ex: idosos, gestantes, recém-nascidos e crianças pequenas) pois essas pessoas são mais suscetíveis aos vírus e outros micro-organismos.

Fique atento a estas dicas!

Seguindo estes cuidados básicos você reduzir o risco de contaminação, lembrando que em alimentos e embalagens os vírus são eliminados com mais facilidade, pois os vírus não se multiplicam neles, apenas em organismos vivos.

Vamos fazer nossa parte! Estes cuidados simples podem salvar vidas.

51 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo